Consulte o acervo da Revista Pellegrino utilizando a busca.

Frango caipira no pequi

Frango caipira no pequi

07/02/2018

Balcão foi a escola que Rogério Ramalho frequentou para empreender com a RN Automotiva, em Redenção (PA). Ele convence como gestor e com receita saborosa da região

 

Por Nei Bomfim

O paraense Rogério Xavier Ramalho sente que a pegada de balcão dele e de seu sócio, Newton Alves de Lima, foi decisiva para abrir e deslanchar seu negócio de peças, filtros e lubrificantes da linha leve no centro de Redenção, sul do Pará –a RN Automotiva. Esse gosto pelo olho no olho com o cliente fez a loja saltar em apenas três anos de vida dos 70 metros quadrados iniciais para os atuais 375. Mais ou menos na mesma toada da sua receita preferida –o frango caipira no pequi: simples, mas muito saborosa. “O atendimento até hoje é com a gente”, afirma Ramalho.


O perfil da região também parece ter colaborado para uma relativa estabilidade do negócio. Redenção é a maior cidade da região. “Aqui não temos indústria, o forte é a pecuária –isso resulta num mercado sem grandes altos e baixos.”


O empresário apostou num final de ano com maior faturamento e acertou em cheio. Isso por causa do aumento do volume de revisões típico do período. “Nosso forte é suspensão”, conta, referindo-se principalmente às caminhonetes.


As seis pessoas que compõem o total de profissionais da RN têm boa proximidade entre si, de antes ainda da loja. Os sócios são amigos desde pequenos. Dos funcionários, um é irmão de Ramalho, e outra, irmã do sócio. “A nossa sociedade é quase uma pessoa só: eu compro, não preciso falar com ele; da mesma forma, ele não precisa passar tudo de imediato para mim.”


Nesse ambiente, o frango caipira no pequi atraiu a atenção do varejista tão recentemente quanto a RN Automotiva. A receita foi passada pela sua mãe. Ramalho faz questão de destrinchar o contexto gastronômico local. Segundo ele, a região foi povoada por fazendeiros de Goiás e Tocantins –a família de sua mãe, por exemplo, é de Gurupi (TO). Isso explica a preferência ali por comidas como o churrasco e a própria receita desta reportagem.


Isso desenvolveu em Redenção uma culinária mais ligada a esses dois Estados fronteiriços do que à própria cozinha típica paraense. “O tucupi e o jambu você só vai achar mais lá para cima”, informa. A razão é simples: Belém está a mais de 1 mil km de distância. Já Palmas, a capital do Tocantins, está a meros 300 km dali; o próprio Tocantins começa a apenas 100 km de Redenção.

Ingredientes
» 1 frango caipira de 2 kg
» 1,5 kg de pequi
» 1 cebola grande
» Sal, pimenta e outros temperos a gosto
» 4 dentes de alho amassados
» 1/2 litro de óleo

Preparo
Tempere o frango. Deite 1/2 litro de óleo numa panela de parede grossa. Refogue o frango com a cebola. Vá regando o frango com pouca água, até que ele fique dourado. Retire a maior parte do óleo, deixando apenas um pouco dele. Acrescente o pequi e os dentes de alho. Refogue até o caldo começar a ficar bem amarelo. Cubra os ingredientes com água. Deixe cozinhar até a água baixar para menos da metade. Sirva com arroz branco e angu sem sal, ou polenta de fubá de milho.


Atenção: ao saborear o pequi, muito cuidado –os espinhos podem ferir a boca dolorosamente. Segure-o com as mãos e vá retirando a polpa com a boca, bem devagar. Quando a massa, amarela, começar a embranquecer, é hora de parar –antes que os espinhos fiquem aparentes. Serve 6 pessoas.