Consulte o acervo da Revista Pellegrino utilizando a busca.

TECNOLOGIA EMBARCADA,UMA VIAGEM SEM VOLTA

TECNOLOGIA EMBARCADA,UMA VIAGEM SEM VOLTA

25/11/2016

Ela proporciona mais segurança e conforto ao motorista,além de conectividade, melhor desempenho, economiade combustível e redução de impactos ambientais

Por Paulo Carneiro

 

Providos de dezenas de chips, sensores e comandos pré-programados, as novas gerações de veículos exigem do motorista mais conhecimento de informática do que propriamente habilidade ao volante. E não é para menos. Estrategicamente localizados, esses microcomponentes fazem parte da tecnologia embarcada e coletam informações que vão desde a medição da temperatura interna ao estabelecimento da estratégia a ser seguida no caminho, assim como a precisão no deslocamento em marcha à-ré.

Embora ainda causem espanto aos defensores dos ultrapassados comandos analógicos, o sistema digital aos poucos deixa de ser uma questão de opção para se tornar obrigatório nos modelos que chegam ao mercado. De acordo com especialistas, tudo isso é feito para melhorar o trânsito, a vida das pessoas e o meio ambiente.

Para o gerente de assistência, serviços e treinamento técnico automotivo da divisão automotive aftermarket da Bosch, Daniel Lovizaro, a tecnologia embarcada proporciona não apenas mais segurança, como também conforto ao motorista, além da conectividade, melhor desempenho, economia de combustível e redução de impactos ambientais. “Neste contexto, a Bosch tem contribuído com seu amplo know-how no desenvolvimento de soluções para mobilidade, realizando investimentos e pesquisas com foco em eletrificação, conectividade e automação”, afirma o executivo.

Tudo em um

Segundo Lovizaro, o mercado brasileiro já conta com soluções de segurança ativa, como o Sistema Antibloqueio de Frenagem (ABS) e o Programa Eletrônico de Estabilidade (ESP), que é a base tecnológica para muitos dispositivos, e que se tornará obrigatório no país a partir de 2020. “Por conta disso, os sistemas de assistência ao condutor, como a Frenagem Automática de Emergência, também estão cada vez mais próximos dos usuários”, afirma.

“Além do mais, alguns modelos de veículos comercializados localmente –incluindo importados– contam com assistente de estacionamento (Park Assist), sensor de ultrapassagem, regulagem automática de farol, piloto automático adaptativo de distância e velocidade (ACC), sistema de telemática avançado, que oferece ao motorista serviços de emergência, segurança, navegação, concierge e conectividade em um único dispositivo.”



 

Ainda segundo o gerente, outra solução já disponível é o sistema Start/Stop, que desliga o motor quando o veículo está parado no trânsito e religa automaticamente assim que o motorista aciona o acelerador. “Além de oferecer mais conforto e menor índice de ruído, o Start/Stop reduz em até 8% o consumo de combustível e, consequentemente, as emissões de CO2.” Na mesma linha, ele cita os veículos equipados com injeção direta para motores bicombustíveis, que também estão ganhando espaço entre os brasileiros. “A injeção direta bicombustível vem ao encontro da demanda por veículos mais eficientes, pois proporciona economia em torno de 15% no consumo e torque até 5% maior.”



 

Na opinião do profissional da Bosch, o setor de reposição sofre um impacto direto dessa nova realidade, já que as oficinas terão de investir em equipamentos de diagnose com tecnologias avançadas e adequadas às tendências do mercado automotivo. “Somado a isso, também é fundamental realizar investimentos constantes em capacitação e atualização técnicas, uma vez que o setor de mobilidade é dinâmico e há cada vez mais inovações incorporadas.”

 

Reciclagem

Lovizaro considera imprescindível que todos estejam preparados e saibam realizar os serviços de manutenção e reparação de forma assertiva e com qualidade, considerando toda a diversidade da frota circulante no Brasil. “Existe uma grande diferença entre efetuar a troca de uma pastilha de freio em um veículo convencional e fazer a mesma troca em um híbrido, por exemplo.”

Segundo ele, a própria Bosch contribui para difundir esse tipo de formação técnica, ao oferecer diversos treinamentos de conteúdo teórico e prático que envolvem também as tecnologias embarcadas. “A grade de cursos é desenvolvida para atender as exigências e tendências de um mercado cada vez mais diversificado e dinâmico, sendo a programação aberta para os diferentes profissionais do setor, independentemente de fazerem parte ou não da rede de oficinas credenciadas Bosch,”diz.Além disso, há treinamentos customizados para atender de maneira flexível as necessidades dos clientes em termos de conteúdo, local e horário.

Para Lovizaro, não há como escapar a essa realidade, na qual os veículos estarão cada vez mais conectados, com sistemas e soluções que facilitam o dia a dia dos usuários, especialmente nos grandes centros urbanos. “Tudo isso direciona o mercado automotivo para a principal tendência, que são os veículos autônomos. No Brasil, a transição será a longo prazo, evoluindo gradativamente dos com injeção direta, os híbridos, com uso de combustíveis alternativos, como hidrogênio, passando para o veículo elétrico”, declara. “É um processo de desenvolvimento que não tem volta, mas que requer tempo, investimentos e adequações, inclusive na legislação nacional.”

 

 

 

SAIBA MAIS

 

BOSCH

0800 7045446

www.bosch.com.br