Consulte o acervo da Revista Pellegrino utilizando a busca.

A PRÁTICA DO SUCESSO

Could not connect to Mailchimp

A PRÁTICA DO SUCESSO

06/05/2015

Por Alessandra Assad

Dizem que quem tem um porquê suporta qualquer como. Mas será mesmo que esta teoria na prática funciona?
Uma das conseqüências mais marcantes do estresse profissional, que se caracteriza por exaustão emocional, avaliação negativa de si mesmo, depressão e insensibilidade com relação a quase tudo e todos, chama-se Síndrome de Burnout. Ela pode ser considerada como um efeito de um organismo que não conseguiu se adaptar adequadamente às exigências do meio, gerando um comportamento disfuncional e não saudável para a pessoa. E agora eu pergunto: que poder de controle você tem sobre as suas emoções nessa hora? Qual o seu nível de resiliência?
A palavra vem do latim “resilio”, que significa voltar ao estado natural. O conceito de resiliência para as ciências humanas é “a capacidade de um indivíduo em possuir uma conduta sã num ambiente insano, ou seja, a capacidade do indivíduo sobrepor-se e construir-se positivamente frente as adversidades”.
 
A beleza e a motivação da resiliência residem na capacidade de você poder escolher como perceber e responder às situações adversas. O conceito vem da física e é aplicado ao comportamento humano permitindo mudanças nas atitudes e na qualidade de vida das pessoas diante do caos do dia-a-dia de cobranças, prazos, pressões, muita tensão e estresse acumulado.
Os medos dos desafios de assumir o risco de enfrentar algo é muitas vezes maior do que nós mesmos. Se o atraso de um minuto parece durar uma hora, um comentário descuidado o fere como repreensão e um silêncio é interpretado como indiferença, está na hora de repensar alguns valores diante das adversidades, que acabam conduzindo os indivíduos ao sentimento de impotência diante das decepções e contradições da vida. Você tem duas opções: ou fica parado e foge delas ou as encara de frente, vislumbrando-as como novos desafios a serem vencidos e transformando-as em oportunidades.
 
A composição das características de uma pessoa resiliente se dá pela formação genética, sociocultural e pela personalidade de cada um. Há pessoas com predisposição para ter mais dificuldade ou facilidade para alcançar a resiliência, mas uma porcentagem muito pequena de pessoas têm esse “talento”.
 
Os indivíduos resilientes normalmente são pessoas que possuem uma combinação de algumas características. Acreditam em si e naquilo de que são capazes de fazer, encaram as situações de estresse e adversidade como um desafio a ser superado, são abertos à novas experiências e formas de se fazer as coisas, conseguem administrar seus sentimentos e suas emoções em ambientes imprevisíveis e emergenciais, conhecem suas emoções, sabem administrá-las, sabem automotivar-se, reconhecem emoções em outras pessoas e sabem manejar relacionamentos, procuram constantemente por inovações. e mantêm altos níveis de clareza, concentração, calma e orientação frente a uma situação adversa.
A grande maioria dos profissionais e organizações considerados competentes, quando se submetem à uma situação emergencial, ameaçadora, desconhecida, vêem suas competências drasticamente diminuídas ou praticamente desaparecidas. Oitenta por cento das pessoas diminuem a eficácia de suas competências quando passam por situações que interpretam como imprevisíveis, adversas, turbulentas ou ameaçadoras, 20% conseguem manter-se competentes em ambientes de pressão e utilizam suas características afetivas, comportamentais e cognitivas para enfrentar uma situação adversa com sucesso.
 
É importante que você descubra em si um conjunto de conhecimentos e experiências que proporcionem suficiente estabilidade e equilíbrio interno para lidar com as altas exigências do mundo moderno e que possam utilizar de sua inteligência e sabedoria para encontrar idéias e soluções criativas para assim ganhar o mundo e colocar em prática finalmente a sua estratégia de sucesso.

Alessandra Assad é diretora da AssimAssad Desenvolvimento Humano. Formada em Jornalismo, pós-graduada em Comunicação Audiovisual e MBA em Direção Estratégica, é professora no MBA de Gestão Comercial da Fundação Getulio Vargas, Consultora Senior do Instituto MVC, palestrante e autora do livro “Atreva-se a Mudar! – Como praticar a melhor gestão de pessoas e processos”
www.alessandraassad.com.br